21/03/2007

Lula - biografia não autorizada

outro dia estava almoçando com o Lula, numa daquelas minhas inúmeras viagens, e fiquei convencido de que aquele é um homem ainda atormentado pelo sonho juvenil de mudar o mundo. como todos sabem, mudar o mundo é uma chatice e com o passar do tempo todos que embarcam nessa aventura ou 1) ultrapassam a barreira dos 40 anos fumando maconha ou 2) se transformam em professores de filosofia ou 3) leitores da Carta Capital ou 4) esquerdistas alucinados infiltrados entre os ativistas do Greenpeace e WWF. opções pouco prováveis para alguém com habilidades psíquicas e motoras abaixo da média — Lula confessou que deixou a barba crescer depois de cortar um dedo ao se barbear com um Prestobarba, contrariando a tese sustentada por um amigo meu de que ele teria comido o dedo, por engano, enquanto tentava roer as unhas.

após esse trágico episódio, Lula abandonou a idéia de investir em profissões complexas que demandavam a utilização de pequenos objetos perigosos como calculadoras, tesouras e grampeadores. sujeito determinado, decidiu fazer algo que não estava muito acostumado, ler os clássicos, e começou pelas frases de pára-choques de caminhões. foi quando descobriu sua real vocação: a presidência da república. a frase que o inspirou, e desconfio que a todos os presidentes latino-americanos, foi a manjada "só sei que nada sei", pronunciada por Sócrates ao afirmar que a primeira e fundamental verdade filosófica é admitir plenamente a própria ignorância.

para quem saiu do fim do mundo, localizado mais precisamente em Garanhuns, Pernambuco, a sentença de Sócrates é um coice e provoca uma inclinação nostálgica revelada através da amargura no olhar. Lula resiste furiosamente ao fato de ser apenas um retirante desqualificado que se tornou um dos burocratas mais festejados pela esquerda nonsense do país por absoluta falta de alternativas. enquanto numa outra dimensão, da qual nada sabemos nem suspeitamos existir, um ex-líder sindical se contorce de raiva com a oportunidade perdida pelo herói solitário com superpoderes inimagináveis, protagonista na luta do bem contra o mal, protegido por uma máscara que ocultava sua verdadeira identidade de simples trabalhador.

acontece que nem todos os sonhos podem ser realizados e é necessário que eles deixem de existir para abrir espaço para outros sonhos. Lula não percebeu isso e continua enfrentando a realidade com a cabeça de um astronauta. mas ele não está sozinho. na Sala da Justiça, onde se reunem todos os super-pirados do mundo moderno, papilas degustativas produzem saliva com um leve sabor de vingança toda vez que Hugo Chavez brinca de anti-herói na maior cara dura... hmn, ou seria quando assistem as aventuras do Chapolin Colorado? nunca sei quem é quem.

O presidente, em particular, é simplesmente uma figura pública: não detém nenhum poder. Ele deve é possuir um sutil talento para provocar indignação. Por esse motivo, o presidente é sempre uma figura polêmica, sempre uma personalidade irritante, porém fascinante ao mesmo tempo. Não cabe a ele exercer o poder, e sim desviar a atenção do poder.

* O Guia do Mochileiro das Galáxias - Douglas Adams

3 comentários:

Sergio Fonseca disse...

Rapaz, você não imagina quantas gargalhadas meu pai deu hoje cedo lendo essa biografia. Imprimiu o texto para levar para um amigo. :)

Rogerio B. disse...

Sergio,

só rindo mesmo! e avisa para o teu pai que estou preparando outras biografias não autorizadas, a próxima é a minha!

abraços!

Ane disse...

vou encaminhar este texto para a presidência da república!!!

;o)*