03/05/2007

no mundo existem dois tipos de pessoas: os vencedores e os perdedores. a afirmação não é original e está presente no filme-cereja Pequena Miss Sunshine, onde uma família de retardados viaja a bordo de uma Kombi inspirados por Proust, passos de auto-ajuda e mais uma série de esquisitices — o avô da menina cheirar heroína não tem precedentes no quesito "faça a coisa errada do jeito errado na idade errada" e o gay megalomaníaco-suicida-fracassado-melodramático não é nenhuma novidade em divãs ou conversas de bar. caretas tão inofensivos que me fizeram lembrar de Nelly Furtado: no, you don't mean nothing at all to me, do you got what it takes to set me free?

foi grande o esforço para não adormecer ou viajar em alguma outra coisa mais interessante, mas a preguiça impedia qualquer aventura na cozinha em busca de um sanduíche de queijo com peito de peru e um copo de Coca-Cola. decidi esquecer o filme, o sanduíche, o copo de Coca-Cola e concentrar o que ainda restava de luz entre meus olhos semi-abertos na questão sobre vencedores ou perdedores. sem nenhum sucesso fiquei imaginando o perfil de um possível vencedor: saudável, sem vícios, resolvido financeiramente e profissionalmente, despertando ao lado do indissolúvel grande amor da sua vida e completamente alienado a tudo que acontece fora da janela do carro e do apartamento — o que seria muito fácil para alguém como eu que tem como únicas preocupações atuais as moedas e os cupins, duas pragas modernas que não consigo me libertar.

acontece que estou começando gostar da idéia de ser um perdedor e ando muito afim de ficar trancado numa mesquita lendo os ensinamentos do Corão ou me dedicar a qualquer outra atividade que exija 1% de ação e 99% de contemplação. participar de alguma reunião de desajustados sociais abraçando psicóticos durante exercícios coletivos de integração — essas coisas loucas todas, como conversar com árvore e parede e arco-íris, ser devoto de algum santo, bruxo ou orixá, também parecem boas idéias. sabe assim? enquanto o mundo inteiro luta para descobrir quem é o melhor ou tem mais contas para pagar no final do mês, ficar só observando uma folhinha balançando de lá pra cá e de cá pra lá, passarinhos cantando, água correndo, pouco vento, o sol atravessando as janelas, um cenário blasé e uma vontade louca de me aventurar na cozinha em busca de um sanduíche de queijo com peito de peru e um copo de Coca-Cola. e não falta mais nada. tudo simplesmente impecável como a voz de Mart’nália andando de madrugada pela casa feito traça, feito barata, feito cupim... não. pensando bem, cupim não.

5 comentários:

Ane disse...

tá... e daí depois disso tu dormiu, né?

PQP, Rogerio B! Eu, que devo ser a única mortal que não assistiu Miss Sun, e que pretendia passar na locadora amanhã ou depois, acabo de decidir trocar a locadora por uma padaria e abastecer a geladeira com queijo, peito de peru e coca-cola. Já provou a Zero???

Beijo.

Rogerio B. disse...

dormi feito um urso! na verdade, ainda estou dormindo. sabe como é... Porto Alegre, inverno chegando, manhãs geladas, aquele vento sul no meio da tarde, a noite chega mais cedo, vai batendo uma lerdeza... e se fosse você assistia o filme aí da menina que queria ser miss. sei lá, todo mundo gostou, vai ver sou implicante mesmo. e além disso, não sou referência pra cinema. semana passada fui assistir ao Homem Aranha 3, só pra ter uma idéia.
beijos

Saramar disse...

Meleva, se for ficar nessa contemplantação toda?
A preguiça é o menor dos meus defeitos e preciso cultivá-la diante de laguma árvore, água ou seja lá o que for que seja mais sagrado que a vida. Ou seja, quase tudo.

beijos

Silvia Chueire disse...

Aleluia ! Alguém que também não gostou da Miss. Depois de tanto incenso da crítica, eu já estava me sentindo estranha. Filme comunzinho, aquele. Nada demais ali, nada mesmo. Enfim...Há mistérios que não se entende. : )

Beijos,

Silvia

J@de disse...

Eu também quase dormi, mas como sou compulsiva fui até o fim prá poder dizer que o filme é babaca com algum embasamento... eu achava que tinha sido a única a não gostar... hehehehe!!