28/10/2007

prefiro as pernas que me movimentam

a gente movimenta o amor
a gente que enfrenta o mal
quando a gente fica em frente ao mar
a gente se sente melhor


* hoje tô quase um filósofo de mesa de bar, citando Nando Reis, meu pensador preferido!

5 comentários:

Ane Ro disse...

Gosto muito da filosofia de Nando, mas tem uma coisa que eu achei muito estranha no seu (creio que último) CD. É que o Sergio me contou que aquele foi um trabalho que ele fez totalmente "de cara". Há algo de paradoxal nisso! Vc já ouviu o "Sim Não" dele? Nada ali me parece de cara... mas é ótimo mesmo assim.

Mas, se for pra escolher filósofo preferido no contexto, eu voto no Moska. Sempre Moska. Sempre.

Beijo, guri.

Rogerio B. disse...

gosto do que o Moska escreve, só me atrapalho com a sonoridade dele. Nando Reis é mais possível — se é que existe isso. se não existe, inventei agora! só não consegui me sentir a vontade com o último cd... mas sempre me encontro entra uma frase e outra.
beijos

Silvia Chueire disse...

o mar é fundamental. em qualquer curcunstância.

Rogerio B. disse...

Silvia,
fundamental, sempre. não acha estranho essa relação com o mar? será que Darwin ou Freud explicam?
beijos

Silvia Chueire disse...

Ah, esta só vi agora.

Estranha nada. : )
Freud explica, e Darwin, e um monte de gente. Mas quer saber? Não quero saber de explicações (e eu sou uma mulher de porquês constantes). Gosto deste mistério que me ata ao mar. Do cheiro, das cores, da grandeza, da sensação de calma, como se voltasse ao meu país, cada vez que vou lá e molho os pés, e mesmo que não os molhe.
Tenho a alma marítima, já escrevi sobre isto milhares de vezes ( até cansa, ler).

Beijos