21/11/2007

queria escrever um texto legal para falar de pessoas muito especiais. escrevo. deleto. escrevo, escrevo, escrevo. deleto, deleto, deleto. e minha memória é igual bolha de sabão: limpa, transparente e leve, depois se desmancha no ar. para não perder minhas lembranças, transformo tudo em sentimentos. transformar em palavras é outra história. acontece que estou em êxtase. sabe assim? algo como admirar a extensão do seu corpo em outro corpo — estou falando de amor, não de sexo! e continuar desejando ainda mais, resistindo ao sono. ahn... não era exatamente sobre isso que eu queria escrever, mas devo confessar que esta foi uma ilustração bem atraente.

queria escrever um texto legal sobre o sabor das ostras — "ostras tem gosto de mar!" escrever sobre pimenta, vodka com morangos ou maracujás, mensagens no celular, samba de bar em bar, mesa para quantos?, além do Pontal, o Rio encoberto, dentro do carro ou caminhando na chuva, Kelvin, São Jorge, Pessoa, Amós, Drummond e os Incríveis, frases de duplo sentido, interpretações cinematográficas na hora do jantar, fotografias nas paredes, árvore de Natal com a lua lá no alto, madrugadas de riso fácil, café preto pra lá de forte — alguém precisa ensinar essa criatura a passar café!, bolhas de sabão, amigos, Dois Irmãos, sonâmbulos e perdidos no Galeão, uma vontade de ficar... enfim, queria escrever um texto legal. mas antes preciso parar com essa mania de voltar para casa trazendo o mundo inteiro dentro do olhar.

5 comentários:

Ane Ro disse...

Pressinto que você tenha razão sobre deixar no armário a câmera digital. Certos registros pedem olhos do avesso. Assim. Bem assim como você tenta contar.

Sorriso.

Ainda há muito gosto de mar pra vc experimentar por aqui, tenho certeza.

Quando será a nova performance dos incríveis, hein?

Beijo!

Silvia Chueire disse...

Pare não, este é o barato da viagem, levar um mundo inteiro no olhar.



Beijos,
Silvia

Rogerio B. disse...

Ane,
eu sempre tenho razão! ninguém me escuta, tô dizendo! :P
aquela lua sobre a "árvore de Natal", só nós vamos lembrar!
beijos

Silvia,
é que algumas vezes falta espaço e bate uma saudade maior que tudo. mas é uma saudade boa, como você diz.
beijos!

Junior disse...

Bah, na próxima vc passa o café :-P

Rogerio B. disse...

Junior,
gargalhadas! óquei, confesso que implorei pelo seu café! mas não passo café nem a pau, melhor tomar cachaça que provoca menos reações adversas...
grande abraço!