23/01/2008

descobri hoje que a Terra gira numa velocidade de 1700Km/h. isso pode explicar muita coisa ou coisa nenhuma. sempre fui meio tonto, mas não deve ser esse o motivo. não importa! já li Albert Camus, Jean-Paul Sartre e Friedrich Wilhelm Nietzsche, mas prefiro Douglas Noël Adams. é melhor deixar claro quem sou: tenho peixes que ficam nadando na tela do computador e converso com o Photoshop — ei, Photoshop! muda a cor dessa paisagem na janela e me leva para onde quero estar! e no meu player rodam músicas que vão chegando como presentes e tomando conta da casa — você conhece? não!? precisa escutar! demais, demais! ya, ya, ya... e os peixinhos a nadar.

e existem dias que só ficam marcados no calendário. hoje é quarta-feira, 23 de janeiro de 2008. e existem dias que só ficam marcados na minha memória. quarta-feira, 23 de janeiro de 2008. e hoje fiquei uns 30 segundos pensando numa coisa só — quase um mantra! ser feliz é sempre uma boa idéia. mas eu não acredito em quem diz que é feliz o tempo inteiro. é preciso respirar! não sofrer! mas é preciso um pouco de desilusão, solidão e ausência das coisas. é preciso parar para pensar ou então a gente esquece quem é, esquece o que quer e os dias passam a ser dias como qualquer outro e as pessoas passam a ser pessoas como qualquer outra. não! não sei do que estou falando, não sou uma religião! não me leve a sério. só estou falando que parei 30 segundos para pensar. 30 segundos! e você e você e você estavam lá. e me perguntei quem somos e o que queremos. e fiquei com essa vontade: ser feliz! e ser feliz é sempre uma boa idéia quando penso em vocês e quando penso em nós. acho que poderia desenvolver um pouco mais esse pensamento, mas meus pensamentos não são um livro aberto com dicas de auto-ajuda. nunca li um, acho engraçado. muito loucos e sem noção esses livros. dá um tempo! 30 segundos! é o suficiente. ya, ya, ya...

depois liguei a TV. acabei ficando entediado e quase comprei uma vaca pelo Canal Rural. depois desliguei a TV. uma vaca!? nada ver. ou sim. tipo: ontem era quase fim de tarde e estávamos conversando coisas muito sérias e chegamos a conclusão de que ninguém sabia absolutamente nada sobre o que estava falando. rimos muito! é, definitivamente, estamos desesperados! e rimos sem parar. decidi que aquele era um bom momento para deixar minha alma afundar um pouco mais no meu corpo e o corpo no sofá. e o café esfriava na xícara propositalmente abandonada em algum lugar só pelo estranho prazer de esquecer. na lista de futilidades que me ocorreram naquele momento esquecer a xícara de café me pareceu a melhor idéia. respirei profundamente com um sorriso cínico ao lembrar que tenho uma memória muito esquisita. por exemplo: esqueço o que eu quero, mas não esqueço que as Plêiades eram mulheres caçadas impiedosamente por Órion e que se transformaram num agrupamento de estrelas — assim, sem mais nem menos! imagina o espanto de Órion ao perceber que seus planos de orgia foram literalmente para o espaço? uma coisa muito doida e que deve ter tirado o sono do filho do deus do mar por várias noites. muito loucos e sem noção esses deuses. e rimos mais alto ainda e somos simples mortais e os peixinhos a nadar.

e chegou a hora de dormir e a hora de dormir sim que é uma coisa muito esquisita. não me acostumei ainda e talvez nunca vá me acostumar. é necessário muito esforço para abrir mão de todas as coisas. enquanto estou adormecido a Terra gira numa velocidade de 1700Km/h, meu filho cresce, perco silêncios e diálogos, mantras, cidades, feriados, telefonemas, flores e não afundamos o corpo no sofá rindo sem parar e é mais uma noite como qualquer outra e os peixinhos continuam a nadar. ya, ya, ya...

acho que poderia desenvolver um pouco mais esse texto. sei lá! e a moral da história? boa pergunta! mas não tenho respostas.

6 comentários:

Ane Ro disse...

Eu tenho dois peixinhos a nadar na minha lua. São eles que me sentem. E por causa deles, acredito que essas tuas linhas ficam ótimas ao som de Ya Ya Ya que acabei de ouvir: veio de presente de uma amiga querida.

Vou repetir a música e pensar 30 segundos. Detesto moral de história. Ainda bem que vc não tem respostas. Bons são esses 30 segundos aiaiaiaiaiai... de boas panes e coisas gostosinhas pra lembrar.

Beijo, Rogerio B.H.yayayaya!

Sergio Fonseca disse...

pois eu estava lá para dentro e ao longe ouvia no micro da Ro um ai, aiaiai, aiaiai, iaiaiaia, aiai e tive que ir lá saber que história era essa. e vim parar aqui. A 1.700kh/h. tá bonito isso. de ver, ouvir e pensar.

mônica disse...

: )

rogerio b disse...

Ane Ro
"ya ya ya" é música boa para os peixinhos do mundo da lua! ai ai ai...

Sergio
gargalhadas! a 1.700km/h só pode dar um aiaiaiaiaiai mesmo!

Mônica
nhá! : )

beijos e abraços!

ps. hoje estou tão "ya ya ya ya"...

zel disse...

oi queridão! que bom ler você... faz tempo, afe. beijos :)

Rogerio B. disse...

Zel
oie guria!faz tempo pra você... hmpf! outro dia, clicando pelos links da vida, estive no seu blog pra matar saudades e descobri que você agora é uma menina cheia de lêmures na cabeça!ahn... lêmures, furões? nunca sei quem é quem... :P
beijos