27/01/2007

imã de geladeira

frequentemente nos confrontamos com as questões fundamentais da vida, do universo e tudo mais. que dia do mês estamos? será que vai chover? chuchu ou beringela? com crase ou sem crase? onde está Wally? enfim, cada um com seus problemas fundamentais. para os afetados culturalmente, as dúvidas estão associadas a base do pensamento ocidental, processo civilizatório, monoteísmo ético, direito romano, Mercantilismo, Iluminismo, Socialismo, Freud, Nietzsche, extinção dos ornitorrincos, etecétaras e in-fi-ni-ta-men-te etecétaras -- essa gente é complicada, quando estão no fundo do poço começam cavar pra ver o que tem mais abaixo. as respostas que encontramos e o convívio com essas questões é o que molda, ou desanda, a nossa personalidade. sustentados por esses preconceitos (não confundir preconceito com intolerância.) procuramos por nossos "pares perfeitos" (não estou falando de sexo, embora também se aplique!) que diferentes ou não, oscilam na mesma frequência e buscam coisas mais ou menos próximas.

resumindo: na próxima vez que "colar" um imã na geladeira vou tentar pensar numa justificativa mais simples para implicar com a expressão os opostos se atraem... sei, só se for pra começar uma guerra!

3 comentários:

Sergio Fonseca disse...

Não gosto muito de imãs de geladeira. Na verdade, tenho uns poucos, que colo em outro lugar. São telefones de farmácias, serviços delivery. Mas hoje minha geladeira abriga 10 não-imãs. Na verdade são descansos de copos imantados, com fotos do Rio Antigo, quando as coisas eram mais simples. E talvez, sem graça. heheh

Sergio Fonseca disse...

G.A.R.G.A.L.H.A.D.A.S!!!
Eu estava esperando alguém comentar, mas como diz Nando Reis, "o mundo está ao contrário e ninguém reparou".

Rogerio B. disse...

gargalhadas, idem! isso que você falou até me deu uma outra idéia!