01/01/2008

existem três datas que estão cada vez mais insuportáveis: aniversário, Natal e Reveillon. em qualquer uma dessas oportunidades aquelas pessoas que você 1) despreza ou 2) se esforça para evitar ou 3) simplesmente não lembra quem são, aproveitam para transpor a distância saudável e tolerante existente entre os corpos que não tem nenhuma intimidade e decidem que aquele é o momento ideal para superar diferenças e agir com uma diplomacia irritante. e de repente são abraços exageradamente próximos e sorrisos exibindo aquele monte de dentes indesejáveis e uma pronúncia interminável de clichês sem sentido. e não adianta querer fugir para o Nepal porque gente assim se materializa misteriosamente em qualquer lugar do planeta. nos aniversários eles saem como coelhos de dentro dos banheiros de bares completamente bêbados e com as mãos molhadas, no Natal sempre estão na fila do supermercado carregando filhos e parentes do interior e caixas e caixas e mais caixas de cerveja quente em promoção e no Reveillon mesmo dentro da boca de um certo alguém eles te acham e é melhor parar o que está fazendo porque são tão abusados que já aproveitam para passar a mão na bunda da sua namorada e falar que você não presta e não finge que gosta de quem não gosta e... e... começam a chorar ou cuspir frases suuuuuper-sinceras-e-originais para que todos os seus desejos se realizem e blá e blá e blá! todos? jura? em 2008 quero que essa gente se foda ou que vá para o inferno... não, inferno não! para o inferno vou eu! ahn... que me errem! ufa! terminou! vou voltar para a órbita natural de pessoas que estão protegidas pelo "bom dia!" possível e realmente desejado o ano inteiro — sem bolos com velinhas acesas, cerveja quente ou aquele treco verde e gosmento que não lembro o nome agora. ahn... vagem? ervilha? não... lentilhaaaaaaaaaaa! argh!

5 comentários:

Ane Ro disse...

Há mais datas insuportáveis, mas eu nem vou acrescentá-las porque vou parecer muito mais politicamente incorreta. E o pior é que sou. Detesto essas três, umas mais que as outras. Pra falar a verdade, ano-novo sem funk em copacabana eu até sou capaz de achar legal e curtir. Mas natal-aniversário-telefonemas-e-presentes é algo que faz de mim um ser muito mais insuportável do que normalmente sou. Eu gosto das pessoas, sabe? De algumas, claro. Mas não gosto que tirem a minha liberdade no processo de afastamento e aproximação, então o normal é eu desligar telefones nessas datas. No meu aniversário eu não estou nem pra mim. No teu eu vou mandar cartão virtual provavelmente - que é o meu máximo. E se eu não mandar, também não significa muita coisa além de esquecimento.

O problema é não existir mas cavernas. E a civilidade da convivência faz furúnculos na alma. Você é um serzinho difícil, meu amigo. E o melhor: existe ainda alguns tipos dessa espécie. Não queira que os normais entendam. Desligue os aparelhos nesses dias. Procure a tua caverna. Depois passa.

Beijos!

ps: já se recuperou direitinho?

Sergio Fonseca disse...

Lentilha não é gosmenta. Pelo menos bem feita não. Muito embora não signifique que seja gostoso. Quiabo é gosmento.
Meu aniversário está chegando. Não precisa ligar, mas pode mandar um presente. Preferencialmente, uma semana antes para que eu possa trocar se não gostar. hahaha

Rogerio B. disse...

Ane Ro
100% recuperado! nem me reconheci hoje cedo. o mundo todo no esquadro, as cores bem reais, muito sério e compenetrado nos compromissos... aí saí pra comprar pão, o cachorro veio lamber minhas pernas e já saí chutando... aí pensei: opa, sou eu mesmo! :P
beijos

Sergio
agora fiquei na dúvida... será que eu comi quiabo? quiabo é verde? urgh!
abraços

Jussara Gehrke disse...

nossa! vc disse tudo! um horror abraçar quem a gente não quer... ver sorrisos falsos...
no meu aniversário gosto de estar sozinha, ou de preferencia com meu querido companheiro, nem gosto de receber telefonemas...affff...
este ano novo foi dos melhores que passei, nós dois e os dois cachorros...ahhh...delícia, nem telefonemas!

mas enfim, parece que o comércio colocou na cabeça das pessoas que tem que ser assim e pronto.

pior agora é que daqui menos de um mes é carnaval!... quero ficar bem longe dessa turba enfurecida!

abraço solidário
Juju

Rogerio B. disse...

Jussara,
carnaval é o ápice dessa histeria coletiva. não sei de onde essa gente tira tanta disposição pra ser feliz com data marcada!!!
abraços!

ps. não li o livro que você indicou no outro comentário... mas vou procurar!